Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sai Corvêlo entra Carrão?

por Virgilio Alves, em 17.10.11
Sai Corvêlo, entra Carrão?

Já não é de hoje o dito "folclore" nabantino da gestão autárquica, começou por ser uma dança a solo, onde figurava o PSD de António Paiva, para ser hoje dançado a pares, leia-se pelo PS e guiado pelo PSD. Estas coisas folclóricas são sempre a mesma coisa, ora chega, chega ao voto, ora arreda lá para trás e toda a gente diz mal. São danças do povo.

 

 

Ler + )

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:58


Ainda há gente optimista

por Virgilio Alves, em 22.03.10

"O trabalho feito é uma garantia" - Corvêlo de Sousa IN: O Templário

 

   Reproduzo aqui entrevista com Corvêlo de Sousa ao Jornal O Templário (Fonte: On-line 09-11-2009):

 

Corvêlo de Sousa“O Templário” - É presidente da Câmara Municipal de Tomar há cerca de ano e meio. Herdou de António Paiva alguns problemas graves como seja o conflito com a Parq T, os outros processos judiciais com empreiteiros, a dívida da Festa dos Tabuleiros, etc. Como encara estes problemas?
Eu encaro a Câmara como um todo. Em todos os tempos mandatos houve coisas altamente positivas e outras menos positivas, mas há um todo que deve ser avaliado. O que é importante é o saldo entre o que é bom e o que é mau e o saldo, temos de reconhecer, é altamente positivo.


Se perder a maioria qual a candidatura com que seria mais fácil obter um acordo? Com quem gostaria de trabalhar?
Nós estamos no terreno a solicitar o máximo de votos e a trabalhar para mantermos o número de mandato na Câmara. Se não conseguirmos a maioria teremos de aguardar qual é o resultado para ver. Não é possível conceber soluções sem saber qual a composição do executivo. Sou capaz de dialogar com todos os que estão no terreno.

 

Se vencer as eleições e não tiver maioria como pensa gerir a Câmara?
É uma pergunta difícil, mas nós temos de estar preparados para tudo. Isto é um serviço público não é uma sociedade anónima. Temos de estar preparados para qualquer cenário.


Se for eleito presidente da Câmara que mudanças internas pensa implementar?
Penso mudar tudo. Quando iniciamos um novo mandato partimos da estaca zero. Não tenho ideias preconcebidas.

 

Uma das queixas que os cidadãos fazem é quanto ao elevado valor das taxas e licenças. Tenciona alterar alguma coisa nesta área?
O regulamento das taxas está para ser refeito até por imposição legal. Neste momento está tudo em aberto, sendo evidente que as taxas têm a ver com o que se faz.

 

Neste mandato o que gostaria de ter feito e não conseguiu?
Fundamentalmente gostaria de ter as candidaturas que estão aprovadas mais adiantadas do que estão.

 

Costuma pedir conselhos a António Paiva?
Eu falo com toda a gente e também com ele mas não há qualquer tipo de dependência. O eng.º Paiva é uma pessoa com experiência e procuro tirar proveito disso em proveito comum.

 

A maioria absoluta continua a ser um objectivo?
É um objectivo. 

Quais as suas expectativas para estas eleições?
Estamos absolutamente motivados e quem nos vê no terreno não tem dúvidas de que vamos ganhar.

Uma última mensagem…
Gostaria que todos tivessem em conta o trabalho que já fizemos como garantia daquilo que nos propomos fazer.

 


 

   Logo na primeira questão o Sr. Presidente da Câmara Municipal de Tomar, diz que o saldo dos últimos mandatos da maioria PSD apresentam um saldo positivo, das duas uma, ou Corvelo de Sousa não sabe fazer contas ou então omitiu as contas mais negras da Câmara, é a única maneira desta confusão dar um saldo positivo.

 

   Antes das eleições dizia que dialogava com qualquer força política ao contrário do seu homólogo no Partido Socialistas, após as eleições assistimos a um casamento (quase) perfeito, que a nova comissão concelhia do PSD admite desfazer, o mais engraçado era que antes das eleições o PS nem podia com o PSD, mas tal como o Eng. Sócrates no Parlamento o PSD e a direita serão sempre bons aliados, aqui por Tomar apenas se inverte as ordens e os beneficiários são os Srs. Luís Ferreira e amigos.

 

   Na terceira questão eu pergunto-me, Corvêlo de Sousa diz que é preciso estar preparado para tudo, no entanto o PSD nem com maioria absoluta esteve preparado como é que vai (tentar) gerir esta Câmara?

 

   À quarta questão eis chega uma verdade La Place, "Quando iniciamos um novo mandato partimos da estaca zero", e porquê? Porque obviamente no mandato anterior nada se fez e mesmo assim não se chegar a começar pela estava -1 já é uma sorte para Tomar.

 

   O resto é a conversa do costume de um partido que nunca teve uma proposta para Tomar e que o levou à beira da ruína.

 

   Bem sei que esta entrevista já tem algum tempo, mas não podia deixar de a comentar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:09


PS elege Comissão Política Concelhia

por Virgilio Alves, em 19.03.10

Segundo fonte do sítio do PS Tomar (LINK) são levadas a cabo as eleições para a Comissão Conelhia que conta apenas com uma lista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:03

Decorreu hoje em Tomar um encontro organizado pelo PCP com a presença de Jerónimo de Sousa secretário-geral dos comunistas, nele participaram também os trabalhadores das firmas IFM/Platex e João Salvador,

 

 

Jerónimo de Sousa dirigiu o seu discurso tendo em vista a política do Estado, contestando a via seguida por José Sócrates e pelo PS, centrando-se nos temas sociais e da conjuntura actual edenunciando as precárias condições de trabalho, nomeadamente dos jovens, e o crescente desemprego. Para o PCP as medidas que melhor respondem à conjuntura prendem-se com o aumento dos salários reais,o líder comunista condena o Orçamento de Estado e a forma como este está a ser negociado, entre PS, PSD e CDS naquilo a que se pode chamar de "Concertação" iniciada pelo Presidente da Repúbilca. Jerónimo de Sousa adianta que é contínua a política de direita do PS e que cada vez mais o emprego e o crescimento é deixado para trás enquanto a Banca é apoiada. Terminou reafirmando a luta dos trabalhadores e do PCP pelos postos de trabalho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:52


Inoperatibilidade da maioria relativa

por Virgilio Alves, em 14.07.09

Discute-se muito como será a composição da Assembleia da República que sairá da próxima eleição legislativa e que formará o espectro político na próxima legislatura, da eventual derrota do PS poderá sair vitoriosa Manuela Ferreira Leite primeira-ministra que chefiará um governo débil, porque tentará recuar na actual política de José Sócrates, e débil porquê? Porque se éverdade que esse pode ser o cenário previsível, não menos previsível é o facto de que não deverá sair uma maioria absoluta. Tornando mais precária a acção do governo e dependente da oposição e dos jogos e negócios políticos da AR. Por outro lado, José Sócrates, ainda que visivelmente deslocado do país poderá manter-se como primeiro-ministro, porque não se pense numa vitória certa do PSD, poderá eventualmente ver-se a braços com uma maioria relativa, o que ditará o abrandamento da acção da sua política e, necessitando do crivo da esquerda ou uma necessária, nada agradável concordância com a direita mais próxima, isto é, o PSD. Um bloco central disfarçado, isto porque me parece equiprovável que quer o PS quer o PSD poderão ganhar estas eleições, mas ao mesmo tempo, parece-me também provável que não se assistirá, de ambas as partes, da posse de maioria absoluta.


Pela direita é mais fácil uma aproximação do PSD com o CDS e com isso (e dependendo do resultado deste) caso Manuela Ferreira Leite ganhe, providenciar-se um governo de direita propriamente dito, mas que acarretará algumas questões consideradas essenciais ao CDS, porém dará independência do PSD face ao PS. Em qualquer dos casos, poderão tirar dividendos dessa posição. À esquerda, a análise não é tão linear, isto é, não esquecendo os resultados obtidos pelo BE e pela CDU, um possível acordo entre o PS e um destes partidos não é tão simples e pode mesmo falhar, ante a pretensão de ser governo ou do pseudo-facilitismo e projecção que uma posição de oposição dá, um acordo com o PCP parece-me mesmo improvável, e com o BE também, mas há custos, a subida de votação dá uma maior legitimização ao PCP e ao BE, isto é, José Sócrates teria de "pagar" a sua concordância recuando em vários aspectos, e com isso, e atendendo às agitações sociais, depender em certa medida destes para legitimar certas posições, mas como disse, um cenário muito improvável.


Espera-nos portanto uma legislatura que não será fácil para ambas as partes. Caso o PSD ganhe, será uma pesada derrota para o PS, e mesmo para esquerda, por outro lado, o mesmo não acontece com uma a vitória do PS, parecerá sempre que foi o PSD o responsável pela atenuação, sendo que porém isso se deve, em boa, medida à esquerda o PS.


Quem ficará a ganhar, são precisamente o PCP e o BE, em menor medida o CDS, deverão obter maior projecção no parlamento e na opinião pública, resta verificar como ficará as posições relativas ao PCP e BE, caso este último obtenha a terceira posição, soará como uma vitória estrondosa e o PCP terá que lidar com essa perda, apesar de se poder afirmar num aumento de votação, não deixa de ser um rude golpe, na tradicional posição que este ocupa desde muito, perderá alguma legitimidade. Se o bloco ultrapassa o PC, será o sinal de aviso não só para o PCP como para o PS e PSD, a ascensão abrupta deste.


É mais fácil para o PS lidar com o PCP do que com o BE, a longevidade e rigidez do PCP permitem ao PS uma melhor contraposição com este, o mesmo não acontece com o BE, um cenário desses, numa altura em que pode perder a maioria absoluta, é um caso preocupante. No íntimo de José Sócrates, penso que este prefere Jerónimo de Sousa a liderar a terceira força política do que Francisco Louçã.


Na próxima eleição legislativa, veremos ao "combate" PS e PSD e, ao mesmo tempo, ao "combate" nas trincheiras das esquerdas, com isto, o PSD ganha mais margem de manobra, pelo menos em termos de opinião pública.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:11


Guia Político 2009

por Virgilio Alves, em 02.05.09

Encontra-se em fase de publicamento o Guia Político 2009

 

 

Posterioremente será recapitulado e editado em PDF

 

* In: http://eleicoes2009.info

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:57


Como fazer péssima política?

por Virgilio Alves, em 19.04.09

   Alguém já se perguntou como é possível fazer-se péssima política? Passo a explicar:


 


    E, o primeiro prémio da categoria "Armado em defensor de colectividades em anos de autárquicas" é? (...) Luís Ferreira, pela espectacular e ternurenta forma como defendeu a Sociedade Gualdim Pais, das garras dos comunas. Esses "patifes" que se infiltram nas colectividades e blá-blá-blá.


 


   Agora falando a sério, eu não sei se choro ou se rio. É que vale mesmo tudo, até misturar alhos com bugalhos. Mas o que é que a Gualdim Pais têm que ver com a CDU? Alguém que me explique, porque eu não sei. Deve ser da ingenuidade, mas o "Cavaleiro-guardião" Luís Ferreira clama pela "Independência da Gualdim Pais". Não sabia que agora se faziam assaltos a instituições e que estas poderiam ser "conquistadas" como no tempo das cruzadas. Aliás respira-se por aqui um ar impregnado com uns quaisquer textos bíblicos do género: "Temos que tomar as colectividades ao infiel [comunas]!"


 


   Palavra de honra, se não têm nada com que falar, então que se cala, pois começa-se a notar uma excessiva poluição de espaços de discussão pública.


 


   Para finalizar, se o Cidadão Bruno Graça se quiser candidatar à Câmara, candidata-se, se não quiser, não se candidata, independente da força política, nem o Sr. Luís Ferreira, nem ninguém pode por isso em causa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:09


Autárquicas em Tomar

por Virgilio Alves, em 18.04.09

   Em breve resumo do panorama autárquico de Tomar, carece ver quais as especificidades de Concelho de Tomar.


À Câmara de Tomar concorreram nas últimas autárquicas:




  • PSD - Eng. António Paiva

  • PS - Carlos Silva

  • CDU - Dr.a Sílvia Serraventoso

  • PP - Manuel Delgado

  • IpT* - Pedro Marques (*Independetes por Tomar)



   Tendo obtido vitória o PSD com António Paiva a conseguir o seu terceiro mandato, cumprindo actualmente o mandato, o Dr. Corvêlo de Sousa, após a saída do anterior presidente, que actualmente gere o QREN.


Para as autárquicas deste ano destacam-se desde já as candidaturas anunciadas de Corvêlo de Sousa pelo PSD e de Becerra Vitorino pelo PS, sendo de esperar a provável candidatura de Bruno Graça pela CDU e de Pedro Marques pelos Ipt, os Independentes por Tomar pretendem desde já formalizar candidaturas a todas as freguesias do concelho, facto que não se constatou no mandato anterior, uma vez que apenas lançaram candidatura à Câmara Municipal e à Assembleia Municipal.


 


Num município com cerca de 40.000 habitantes, Tomar é sempre uma referência no âmbito do Médio Tejo e do Distrito de Santarém, sendo a primeira cidade do distrito, Tomar tem perdido influência tanto ao nível económico com o desaparecimento do tecido industrial como no plano cultural, é de facto o ensino quem ainda tem dinamizado este concelho, avistando-se a não progressão do plano de dotar Tomar de uma dinâmica Turística pensada para ocupar o lugar da indústria. Estes factos levaram o PSD a uma queda de popularidade e, à subida de um grupo de independentes, Tomar de cariz notoriamente conservador tem mantido o PSD na presidência, mas 2009 augura uma viragem na política local nabantina, sendo expectável que não haverá diferenças tão díspares entre candidaturas, como até aqui acontecia. no fundo, falta um projecto sério para Tomar, uma equipa dinâmica que trave o desmoronamento do concelho. Sendo que a opinião pública é clara quanto a um ponto: o PSD em Tomar não resolveu nem de perto nem de longe os problemas estruturais do município, agora o que acontece num concelho onde o conservadorismo que mantém o PSD começa a contrapor os maus resultados operados pela Câmara? Estas eleições o dirão.



 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:05


Propaganda são números...

por Virgilio Alves, em 16.02.09

   Pois é, o Sr. Luís Ferreira, que até já cortou os comentários de novo no seu blogue, e acérrimo defensor do Partido Socialista, consegue arranjar sempre uns textos incríveis para propagandear, agora é isto:


 


   "Mas carregados que estamos de tempo para esperar e na ausência do trabalho concluído, vamos tendo estudos, documentos enquadradores, estratégicos, análises e visões, etc. Num dos estudos fomos descobrir o que poderia ser considerado um “tesourinho deprimente dos Gato Fedorento”, se não se desse o caso de serem mesmo verdade os dados aí lançados. Falamos da análise ao estado da Rede Viária Municipal, realizado pela equipe de revisão do PDM. Os dados são os seguintes:



% Estradas e Caminhos em Mau Estado ou não asfaltadas



Menor que 20% dos Km existentes: Alviobeira, Casais, Carregueiros,

S.João, Paialvo, Asseiceira,

Sta Maria, S.Pedro e Junceira



Entre 20 e 30%: Sabacheira, Pedreira e Madalena



Entre 30 e 40%: Beselga, Olalhas e Além Ribeira



Superior a 40% dos Km existentes: Serra



Num olhar atento verificamos que 9 das 16 freguesias do concelho têm menos de 20% das suas estradas e caminhos municipais em mau estado ou não asfaltadas.

Um dos aspectos curiosos que salta à vista, é que das outras sete freguesias com as suas estradas mais deterioradas, quatro são governadas por autarcas do PS - Sabacheira, Madalena, Beselga e Além da Ribeira.

Aliás, se olharmos com mais atenção, das cinco Freguesias que são governadas por autarcas do PS, quatro estão entre as que têm as suas estradas mais degradadas.



Tal facto só é relevante porque esta semana, mais uma vez, a maioria PSD aprovou a transferência de verbas para as Freguesias, que não tem em conta as necessidades efectivas de melhoria, por exemplo, da rede viária municipal aí existente."


 


   Bom texto, sim senhor, no que toca a denunciar o executivo, também o acho, agora, assim, também eu consigo fazer propaganda barata. Querem ver?


 


   Então peguemos nesse estudo:


   E concluímos isto... 100% (acho que isto quer dizer tudo) das freguesias da CDU estão no melhor patamar, com menos de 20% das estradas deterioradas ou não asfaltadas. O que me leva a concluir tendo em conta o Sr. Luís Ferreira, de que a CDU deve ter uma concordata com o PSD contra o PS. É claro que não. (Deixa-me ver se encontro a melhor descrição... ahhhh é dificil, ah já sei, chama-se boa gestão) É com gestão pratica e concisa que se obtém estes resultados, uma gestão eficiente ém pé de igualdade para com as outras freguesias.


 


   Mas deixando este estudo, e que tal... Um bocadinho de honestidade?


   Largar estas propagandas baratas, aposto que o Sr. até viu este pormenor de Paialvo e Carregueiros, mas como era a CDU (até podia ser o BE ou CDS, como não é o PD) não se inclui. Pois é, e ainda querem votos!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:17


A crise económica e a sua resolução

por Virgilio Alves, em 19.01.09

Mendes Godinho à Meia Noite   Como foi referido em artigo anterior, foi elabora uma espécie de receita mágica e/ou milagrosa para a crise, é certo e sabido que, enfim, isso serve para inglês ver e que não vai resolver crise nenhuma, aliás tenho dúvidas se a atenuará mesmo. Isto sem falar da empresa de comunicação, em ano de eleições a Câmara Municiapal de Tomar, contrata uma empresa de comunicação, algo invulgar, especialmente devido aos tempos correntes, mas mais incrível, quando se trata de uma Câmara a leste do município que gere, uma Câmara que não ouve os cidadãos. Afinal irão ser pagos 3.200€00 por mês em quê exactamente? São 640.000$00 para comunicar? E por acaso existe alguma comunicação possível com esta Câmara? Não, claro que não. Ora, se não é para isso, para que será? Pergunta de retórica, mas tente responder.


   Enfim, muito razoável em tempos de crise, e com mais um empréstimo declarado a pagar, não haja dúvida.


   Às vezes custa-me acreditar como é possível uma gestão tão má e danosa. Quando os tempos são de crise e há eleições à mistura, é quando o rombo das gestões danosas são mais graves, elas põe em risco as gerações vindouras e comprometem seriamente a estabilidade do município e da sua população.


   É por isso que esta cidade cada vez está pior, e o meu tom é sempre com vontade de o elevar, porque, e é necessário que todos nós o saibamos e percebamos, TOMAR ESTÁ EM GRANDE RISCO, e sim é caso para alarmismo, mais duas legislaturas desta e Tomar estará praticamente na cauda do distrito. Pior, se não se mexer uma palha, o nível dos concelhos limítrofes estará já praticamente inalcançável.


   Tomar nunca esteve bem desde as últimas décadas, mas experienciou épocas de excepcional capacidade para se modernizar, não o fez, a "palhaçada", peço desculpa pelo termo, imperou e claro, agora, Tomar está numa situação muito débil e em tempo de crise.


   Ao contrário do que a maioria pensa, continua a achar que é a indústria que pode favorecer Tomar, aliás Tomar até tinha uma história muito marcada pela indústria, mas fizeram o favor de não a incentivar, aliás perderam-se as grandes indústrias, o que por si só é um erro grave de gestão a longo prazo, uma vez que daí resulta outro problema social também ele muito grave, como empregar uma massa de gente habituada ao sector secundário e que já não vai a tempo de conseguir outra instrução? A palavra de ordem agora é o turismo, fica sempre bem colocar um sorriso de orelha a orelha e proclamar o turismo a salvação municipal.


   Ora, sendo assim, onde estão os investimentos no turismo? Não estão, a única grande alteração que se fez e a mais visível foi fechar o parque de campismo, só que essa é negativa, e a provar que o turismo não está na ordem do dia, está o facto de existir apenas um hotel na cidade. Muito pouco para uma cidade que quer símbolo de turismo, isto sem falar na perda da região de turismo dos templários, outro golpe no turismo regional em Tomar.


   É óbvio que o Turismo é sempre uma mais valia em Tomar, mas nunca substituirá o papel que a indústria teve em Tomar. Mas claro dá mais votos colocar uma cara alegre e esperançosa na TV a anunciar as boas novas no turismo. Só que o prezado eleitor esquece-se que estão dois conventos a apodrecer, pois, é que isso já escapa de todos, e lá vão os Srs. eleitores a correr cumprimentar o Sr. Presidente.


   É o descalabro na vida social é não se perceber a estupidez que representou votar neste segundo mandato PSD, mas verdade seja dita, ao olhar para a "obra feita" se é que houve alguma, nem o PS nem o Sr. Pedro Marques tem um passado abonatório.


   De uma vez por todas, vamos lá a sarar a economia municipal, toda a pessoa com o mínimo de conhecimentos sabe que é preciso racionar, e não entrar em gastos desnecessário (a menos que ILEGALMENTE se usem meios camarários para a autopromoção pessoal e partidária),  é preciso um plano rigoroso que restrinja ao mínimo dos mínimos a despesa pública, mesmo que se sacrifique uma ou outra exposição, ou fogo-de-artifício, mesmo que não se façam cerimónias pomposas, o tempo não está para isso. Assumam de uma vez por todas a porcaria e a miséria de gestão que fizeram, e isto é válido para o PSD, PS, Sr. Pedro Marques e principalmente naqueles que em eles votaram que são os principais responsáveis civil e moralmente pelo terramoto económico que se vive em Tomar.


   Não inventem gastos (agências de comunicação, pontes e paredões) que podem muito bem esperar, e não são preciso e mais UMA BOA GESTÃO DO PATRIMÓNIO CAMARÁRIO ERA UMA ÓPTIMO PASSO PARA O SANEAMENTO DAS CONTAS PÚBLICAS, PORQUÊ PAGAR RENDA QUANDO A 30 METROS DO LOCAL EXISTE UM ESPAÇO PÚBLICO DEVOLUTO E DE MAIORES DIMENSÕES?


   Pois não se compreende! É por isto é por toda porcaria de gestão que se fez que andamos todos ao Deus dará a ter de sair de Tomar para quase tudo.


 


   A RESOLUÇÃO DESTA CRISE ESTÁ NA SERIEDADE DAQUELES QUE A DIRIGEM, E MAIS AINDA NA DAQUELES QUE A PROMOVEM VOTANDO EM QUEM NÃO DEVIAM.


   DIZEM QUE SE APRENDE COM OS ERROS, MAS POR CÁ ESSA REGRA NÃO EXISTE, CASO CONTRÁRIO EM 30 ANOS DE DEMOCRACIA A CIDADE E O PAÍS NÃO ESTARIAM NO ESTADO A QUE CHEGARAM.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:24



calendário

Outubro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2006
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D