Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Os resultados do IPT

por Virgilio Alves, em 12.09.13

De acordo com os dados divulgados pela DGES o Instituto Politécnico de Tomar volta a ser, pela 3.ª vez consecutiva, a instituição de ensino superior pública com a menor taxa de ocupação com, exactamente, 20% de vagas colocadas.

 

Das 515 vagas foram preenchidas apenas 103 nas 3 escolas do Instituto Politécnico de Tomar (Escola Superior de Gestão de Tomar e Escola Superior de Tecnologia de Abrantes 81 em 400 e Escola Superior de Tecnologia de Abrantes 22 em 115).

 

 

Os únicos cursos com a maioria das vagas ocupadas é o de conservação e restauro com 86,7% (26 em 30) e fotografia com 53,3% (16 em 30), ambos na Escola Superior de Tecnologia de Tomar seguindo-se, com taxas de ocupação inferiores a 50% os cursos de Comunicação Social com 43,8% (14 em 32) na Escola Superior de Tecnologia de Abrantes e Gestão Turística e Cultural com 37,0% (10 em 27) na Escola Superior de Gestão de Tomar. Os restantes ficaram-se abaixo de um quarto das vagas disponibilizadas.

 

Por escolas, as 3 escolas não conseguiram preencher mais do que um quarto das vagas disponibilizadas, sendo que a ESGT foi a mais mal colocada embora o conjunto ESGT/ESTT conseguirem um resultado ligeiramente superior que a Abrantes.

 

IPT - Cursos sem colocados na 1.ª fase:

  • ESGT | Auditoria e Fiscalidade
  • ESTT | Engenharia Civil; Engenharia Química e Bioquímica
  • ESTA | Engenharia Mecânica

 

Causas para os resultados obtidos

 

Não alongando muito, é evidente que uma das causas prende-se com o ordenamento territorial da oferta formativa no ensino superior que derramou, literalmente, sobre o país dezenas de escolas superiores e centenas de cursos, claramente desajustadas à procura. É errado tentar explicar tal facto como um tentativa de oferecer diferenciação, o país não suporta este nível de dispersão curricular onde é flagrante a duplicação de cursos que ainda que com denominações diferentes partilham o núcleo central de unidades curriculares, existem vários cursos onde a diferença dessas unidades é inferior a dez. Por outro lado, no Distrito de Santarém, único caso em Portugal, existem dos Institutos Politécnicos, o de Santarém e o de Tomar com a agravante de ministrarem cursos iguais.

 

A terem que encerrar cursos era preferível que se encerrassem cursos no Instituto Politécnico de Santarém que tenham oferta igual em Tomar, isto porque, Santarém fica a uma hora de Lisboa, onde há igualmente oferta semelhante e até mais especializada.

 

Por outro lado, a Câmara Municipal deve tomar medidas no sentido de tornar mais atractiva a Cidade de Tomar, para que a mesma potencie a vinda de mais estudantes, já que actualmente não oferece um futuro ou, sequer mesmo, uma esperança de futuro e isso não ajuda a captar alunos para o Instituto Politécnico de Tomar.

 

A duas horas de distância, encontra-se oferta curricular superior em Santarém, Lisboa, Leiria, Portalegre, Évora, Coimbra, Castelo Branco, etc, o que para alunos exteriores, na maioria dos casos, se traduz em cidades mais apetecíveis para estudar do que Tomar que neste momento não lhes oferece rigorosamente nada.

 

Por fim, aplicando-se a todo o país, o caminho não deve ser trilhado pela criação de cursos às centenas, os ditos cogumelos que nasceram por todo o país, não vêm melhorar a oferta, vêm onerar a administração central, sendo contrários aos princípios da racionalização e eficiência de custos, a especialização deve vir pela uniformização das licenciaturas e especialização nos mestrados, pós-graduações e doutoramentos.

 

As escolas politécnicas devem manter um núcleo base de licenciaturas, oferecer acesso aos estudos intermédios como os CET’s sob pena de andarem a concorrer umas com as outras com uma oferta muitíssimo superior à procura. Muitos cursos apareceram como tentativa de angariar mais alunos, equivocando-os em algumas situações, seja pelo nome que se lhes dá, seja pelas perspectivas que criaram, mas, na maioria dos casos, esses alunos encontravam cursos bastante parecidos e mais próximos poupando-os às despesas inerentes bem como ao Estado, recursos que poderiam ser alocados na investigação e desenvolvimento se esta estivesse, para cada área central do saber, centralizada numa ou duas Universidades e Politécnicos.

 

Mais uma vez, tentou-se mostrar uma imagem de dinamismo à portuguesa, tentou-se criar uma máquina de fazer licenciados, mas olhou-se sobretudo para o ego próprio de algumas regiões/cidades do que para o essencial, fornecer uma instrução superior de qualidade eficiente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:15




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2006
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D