Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Várzea Grande - A Praça do Município

por Virgilio Alves, em 30.05.13

Um dos pontos fulcrais no processo de revisão das metas e objectivos futuros é o da sustentabilidade da autarquia, é conhecida a sua ineficiência financeira que se traduz, igualmente numa ineficaz política económica no concelho de Tomar.

 

Investimentos improdutivos, arrastamento da resolução dos mais elementares problemas, Mercado Municipal, Colégio Feminino, a problemática da ParqT, o complexo de museus da Levada, Palácio Alvim, entre outros problemas.

 

Começo pelo mais básico, a primeira coisa que qualquer pessoa faz na reorganização da sua vida é arrumar a sua casa, ora o município de Tomar tem a sua casa, ou melhor, casas, bastante desarrumadas, leia-se, inúmeros edifício, de propriedade da autarquia, devolutos e outros tantos espalhados que consomem rendas aos cofres públicos. Se os primeiros são uma fonte de gastos desnecessários, nomeadamente com conservação, e improdutivos na medida em que não geram riqueza sequer para pagar a sua manutenção, os segundos representam gastos que poderiam ser optimizados.

 

 

A optimização resulta da centralização num único edifício de todos os departamentos e serviços municipais, com incrementos na eficiência, redução de prazos e custos, aumento da partilha de recursos, humanos e materiais e melhor uso dos gastos com edifícios e sua manutenção, da mesma forma se melhora a eficácia, o cidadão vê as suas tarefas simplificadas, desde logo, por não lhe ser exigidos maiores contratempos, por exemplo nas deslocações aos diversos organismos municipais e a prontidão na resposta às suas solicitações.

 

Assim, se poderia aproveitar a Vázea Grande como uma verdadeira Praça do Município, ocupando a Câmara Municipal o complexo do Convento de São Francisco. De um lado, na Praça da República, sede De iure do concelho com os Paços do Concelho, a principal “sala de visitas” destinada às cerimónias protocolares e À realização das sessões da Assembleia Municipal, em lato sensu a sede da Assembleia do Município e por inerência, sendo a Assembleia o garante da democracia e fiscalizadora da acção do executivo municipal, a sede do Concelho de Tomar, do outro lado, sede De Facto da Administração do Concelho, isto é, da Câmara Municipal, Strictu Sensu, a sua sede administrativa.

 

A Várzea Grande, que poderia continuar a albergar o nome de Largo 5 de Outubro ou adoptar a designação genérica de Praça do Município ainda que não perca o seu nome tradicional na oralidade tomarense, abarcava nos seus limites geográficos, um dos símbolos práticos da administração concelhia, o poder judicial, daria as boas vindas a todos quantos cheguem a Tomar por transportes públicos, além da Escola dos Templários, do Jardim de Infância e da Igreja de São Francisco. O que a torna num lugar de excelência para o que aqui se propõe.

 

 

Esta transformação acarretaria ainda um ambicioso plano de renovação total do espaço a pensar no longo prazo: Uma placa central com o padrão filipino que marca a posse do espaço pelo povo de Tomar a que se lhe acrescentaria um alto-relevo do brasão da cidade aos pés do padrão em direcção a uma futura estação intermodal de transportes, brasão mais elevado no topo e suavemente descendo até ao nível do chão “olhando” os passageiros que saem dos terminais ferroviário e rodoviário. Em redor do padrão, em linhas rectas e semi-curvas, desenham-se espelhos de água, canteiros de relva e flores circundados por calçada portuguesa decorada com vários desenhos da Cruz de Cristo.

 

Seria também importante equacionar a construção dum parque subterrâneo, aliás, onde de facto se deveria ter feito em vez dos parques atrás dos Paços do Concelho e junto ao Estádio, a pensar numa aposta sustentável de utilização dos transportes públicos e na maior afluência que a praça teria com a presença dos serviços municipais.

 

 

Por fim, embora mais difícil de conseguir dado o enorme esforço de negociação com a CP e a Rodoviária, a remodelação da Central de Camionagem, da Estação de Tomar e da Praça de Táxis, de forma a harmonizar a fachada dos dois edifícios, melhorar substancialmente a Central de Camionagem, desviando a entrada e saída dos autocarros pela lateral e criando uma praça de táxis mais bem organizada. O objectivo é aumentar a fruição de passageiros entre os diversos meios de transporte público e colectivo e incentivar a sua utilização.

 

A Várzea Grande tem sido um dos parentes pobres das intervenções urbanísticas, porém detém enorme potencial, sendo inclusivamente uma péssima imagem que se dá a quem venha de comboio ou autocarro e se depara logo com o lamaçal em tempo de chuva, a poeira em tempo de calor e um estacionamento desorganizado.

 

Resolver-se-ia esse problema, criar-se-ia uma administração concelhia mais capaz, uma nova centralidade e, em alguns anos, pagar-se-ia o investimento, que actualmente é uma renda perpétua em edifícios e imóveis alugados.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:48




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2006
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D