Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Situação Financeira da Câmara de Tomar

por Antigo Mail, em 09.03.11

 

Num mandato onde a Assembleia Municipal de Tomar aprovou o maior orçamento municipal das últimas décadas quando o país é assolado por constrangimentos de índole financeira com os juros da dívida pública a aumentarem a cada dia, fica por explicar as grandes razões de se aprovar um orçamento de 57.000.000€00.

 

Estando o concelho a atravessar uma profunda crise financeira que de resto dura também há vários anos, essencialmente no período de domínio social-democrata com principal destaque para os mandatos do Eng.º António Paiva, a Câmara Municipal de Tomar, nas pessoas do seu executivo PSD, levaram avante obras e gastos absurdos, gastos cuja contrapartida para o município foi pouca ou nula. Continua a assistir-se a uma política de investimentos sem nexo, sem grande plano ou futuro.

 

   De resto ficaram de fora, como habitualmente as definições estratégicas nos domínios da produção, isto é, investimentos que potenciassem a criação de riqueza e, indirectamente, proveitos para a autarquia, que desafiam a lógica familiar de só se incorrerem em gastos sem contrapartida quando houver fontes próprias de financiamento.

 

   De facto, o município continua ultra dependente da vontade externa e dos fundos comunitários, não assegurando a sua independência financeira. A indústria continua em declínio, numa fase já depauperizada e minimalista, asfixiante para a demanda de empregos que não são suprimidos pelos sector terciários, o dos serviços. Muito menos são absorvidos pela tónica do Turismo, que existe só no papel e no nome místico dos Templários.

 

   É certo que alguns aspectos há que valorizar, ainda assim, o balanço funcional do município é péssimo e desesperadamente dependente de outros factores, a sobrevivência do Instituto Politécnico é um deles.

 

   É necessário proceder a um ajustamento das prioridades do município que deveriam visar a queda abrupta da despesa, despesa essa contraída em obras que por mais merecedoras que possam ser, são levadas a cabo em alturas impróprias. É necessário reformular urgentemente a própria Câmara Municipal e os seus serviços a acabar de uma vez por todas com a insustentável política de coexistirem edifícios pertença da Câmara Municipal sem qualquer aproveitamento e de espaços arrendados.

 

   Infelizmente por mais um anos continuamos sem um verdadeiro plano económico-financeiro e de sólidas directrizes sociais e políticas para Tomar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:40



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2006
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D