Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Acordo Ortográfico - Uma futilidade

por Antigo Mail, em 04.01.10

 

Continuando a ler sobre a matéria em causa cada vez sinto mais tristeza pelo que se vai produzindo por este mar que é a Net, mas há quem considere como factos válidos, perfeitos disparates, não é preciso ter-se diploma para o comprovar.

 

Por exemplo, um dos argumentos a favor é o de que será mais fácil para os novos alunos aprender a ler e a escrever, mas quem profere isto se esquece de que eventualmente, coitados dos alunos do idioma inglês, que certamente terão imensas dificuldades em entender toda a panóplia de Th, Rh, Ll etc. Ou no Francês, sim porque é estranhamente difícil aprender o Ph, não, claro que não é, além disso, o facilitismo não é benéfico, a língua só têm a perder com a fonética, condenamos uma língua aprazível do ponto de vista gráfico, num emaranhado de letras dispostas sem alma, sem arte, desprovidas da beleza de outrora.

 

Sem contar com autênticos assassínios a palavras como húmido, que querem transformar neste espantalho de palavra que é úmido. Um cadáver da Língua Portuguesa. A troco de um suposto entendimento com o Basil (entendimento ou subserviência?) um povo que marcadamente efectua atropelos à língua que dizem falar, o país do mouse, deletar, ou muíto pior esta verdadeira obra-prima digna da pior sargeta do português que dá pelo substantivo blecaute (segundo a Wikipédia, um Aportuguesamento de blackout) um hino à estupidez de quem não têm tempo para consultar um dicionário de Inglês-Português, muitos exemplos existem mas este é o sublime cataclismo da Língua Portuguesa no Brasil.

 

Outro argumento é o de que vai aproximar as duas culturas, nada de mais errado há, os de cá vão continuar a preferir os livros escritos à maneira portuguesa, as legendas em PT-PT, os softwares irão ser disponibilizados na variante europeia, caso contrário optarão pelo Inglês (facto comprovado, basta consultar sítios da especialidade) entre outras situações. Vergonhoso será a amálgama de palavras que irão ser escritas num mesmo texto, parágrafo ou mesmo linha, com duas formas diferentes. Que belo prestígio!

 

Ainda voltando à história das comparações, está na moda a globalização e querem que o português seja como o inlglês porém, em vez de efectivamente o ensinarem, como é o caso da falta de interesse do Governo Português, em Macau a língua está a desvanecer-se, no Antigo Estado Português da Índia, já é uma relíquia, e nos países que mostraram interesse em proporcionar o ensino do português, a resposta de Portugal foi o silêncio. Aquando da entrega de Macau, foi a própria China a preservar o português como co-idioma oficial na RAEM.

 

Que espécie de embuste nos querem dar? A de falsos defensores da língua, mas apenas quando esta envolve cifras enormes, porque quando realmente houve oportunidades fulcrais para catapultar o portguês, o Governo de Portugal, ociosamente e vergonhosamente nada fez, e essas eram realmente as medidas mais eficazes que se poderiam ter tomado.

 

Mas os senhores importantes, e bem aqueles que julgam ser os sofistas e donos da língua,  que ditam como Salazar as regras de como falar e escrever português, nunca se esqueçam que vós ficardes mas a língua não. Nunca aceitarei que, com base nesse propósito, me digam que está errado, recuso-me terminantemente a escrever dessa maneira, e quanto mais insistirem mais revolta existirá, porque a língua é como a natureza, se a tentam dominar o mais certo é ela responder com tormenta.

 

Ninguém é dono da língua, ninguém têm o direito de a tomar como sua, de editá-la a seu bel-prazer e, como língua viva que é, mudará lenta e progressivamente adaptando-se aos novos tempos e acreditem que se os termos desse acordo fosse úteis e válidos, a língua por si só já os teria incorporado.

 

Por último quero relembrar o seguinte, o Português, o Espanhol, o Francês entre outras são de matriz latina, de entre eles (e com muito pena minha, os mais preguiçosos são os Portugueses) o português é o que menos respeita a raiz etimológica Latina,  que vergonha renegar esse passado, que tristeza e que povo tão desprovido de sensibilidade e de orgulho pelo seu passado, até o Inglês cuja matriz não é o Latim usa fortemente as suas raizes. Mas nós temos de ser sempre o carro do lixo da europa, não é?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:44


Acordo Ortográfico - TV não adopta

por Antigo Mail, em 04.01.10

Plataforma Thomar VrbeHoje no seguimento de uma pequena conversa no twitter, reflecti sobre o novo Acordo Ortográfico, é do conhecimento público a minha posição, por entender que de entre vários aspectos que considero primários na relação que temos com a língua, a título de exemplo:

  • A língua é mutável, não é estática e transforma-se ao longo do tempo;
  • Não obstante, tais transformações não ocorrem em simultâneo, em sincronia, em e por períodos iguais;
  • A língua é uma herança sem titular, que ninguém têm o direito de "mandar";
  • O erro de hoje será a palavra de amanhã, e a palavra de hoje poderá ser o erro de amanhã.

Considero portanto que o dito Acordo Ortográfico, além de um atropelo aos pontos acima descritos, é ambíguo, discutível em larga medida, contraditório e facultavivo na sua essência, ineficaz naquilo que se propõe, inapropriado no contexto da língua e inútil em acção, além desas referências, compreende um imposição de determinada grafia por alguém/grupo,o qual considero nulo, consciente que a língua mudará quando o for necesário tal como a vida se adapta, sem mudanças bruscas e saltos.

O Acordo Ortográfico não acabará com as diferenças e continuarão a existir duas formas de escrita, a Portuguesa e a Brasileira, continuar-se-á a escrever edições específicas para Portugal e para o Brasil, porque nenhum falante admitirá a outra escrita, tal é o hábito.

Por último, e de forma pessoal, que nada tem que ver com o dito acordo, continuo a preferir que a língua deve ser fiel à sua matriz, ser mais etimológica do que fonética, porque a escrita também é uma arte e nessa arte jaz a ortografia e etimologia no seu conjunto, a meu ver é isso que define a língua escrita. Por exemplo, ainda acho que é uma escrita bela, a forma como Pharmacie do Francês, Diccionario do Espanhol ou Theatre do Inglês, que cultivam ainda a sua matriz. Tenho pena que em Portugal, não possa escrever que "o theatro de Thomar fica defronte da pharmacia". Que belo seria o nosso idioma escrito.

 

Assim sendo, A Plataforma Thomar Vrbe NÃO ADOPTARÁ o Acordo Ortográfico.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:24



calendário

Janeiro 2010

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2006
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D